Fique atento, com a chegada do verão temos o aumento no número de pragas urbanas




Baratas, mosquitos, moscas e outros animais podem trazer diversos problemas para sua saúde.

Água, alimento, abrigo e acesso. De barata a pernilongo, passando por aranhas e formigas, esses bichos dispõem de tudo que precisam para viver e se multiplicar nas cidades. A presença deles em casa ou em empresas podem representar uma série de ameaças. Vamos ver algumas das pragas mais comuns em residências e empresas.

BARATAS

Não acredite naquela história de que elas seriam as únicas sobreviventes a uma bomba atômica. Mas o fato de não serem tão resistentes a tamanha radiação não significa que esses insetos tenham pouca versatilidade — muito pelo contrário. Eles moram em qualquer canto principalmente locais úmidos, escuros e quentes e passam semanas sem comer ou beber nada.

Além de provocarem repulsa quando aparecem no ambiente, as baratas carregam um monte de bactérias, vírus e fungos do esgoto.

E isso sem contar que os fragmentos de seu corpo (patas, asas, antenas…) são gatilhos de reações alérgicas e crises de asma em pessoas mais sensíveis.

Como evitar: A palavra de ordem é higiene. Não deixe comida à mostra e faça faxinas regulares, especialmente na cozinha e no banheiro. E sempre mantenha os ralos fechados.

Fique de olho nelas

· Periplaneta americana: Cascuda e voadora, é a espécie mais conhecida. Dá as caras no verão.

· Blatella Germanica: Menorzinha ela é um tormento em mercados, padarias e fábricas.

MOSCAS

Ela deposita seus ovos em fezes ou material em decomposição. As larvas se desenvolvem nesses locais, até crescerem para ficar zanzando por aí, entre porções de comida e cocôs expostos.

Como evitar: Carnes, frutas, legumes, verduras e outros alimentos frescos precisam ficar a geladeira ou guardados em recipientes. Assim, as moscas não vão pousar neles, o que diminui o risco de infecções intestinais e até de verminoses.

MOSQUITOS

Nenhum ser vivo se adaptou melhor ao ambiente urbano que esse bicho alado. As metrópoles trazem tudo que os mosquitos desejam: água parada, calor e muito sangue disponível.

Como se não bastassem as picadas na pele, algumas espécies transmitem vírus que causam dengue, zika, chikungunya e febre amarela — só pra citar quatro exemplos de doenças que assolam o Brasil há algumas décadas.

Como evitar: Faça sua parte: vede ou jogue fora qualquer reservatório de água que tiver em casa, de pneus a tampas de garrafa. Limpe com sabão as calhas e os pratinhos das plantas.

Fique de olho neles

· Aedes aegypti: O maior vilão de todos. Está por trás de dengue, zika e chikungunya.

· Aedes albopictus: Gosta mais de áreas com mata. Tem a capacidade de passar alguns vírus.

· Culex quinquefasciatus: É o pernilongo. Em algumas regiões, transmite o parasita da elefantíase.

FORMIGA

Ela está relacionada à ideia de organização e trabalho em equipe. E, se deparamos com uma fileira desses insetos dentro de casa — e até mesmo em cima de pratos e travessas de comida —, não damos muita importância, né? Mas não deveria ser assim.

Estima-se que cada formiga traga na garupa 14 tipos de bactéria. Por esse motivo, são apontadas como as principais culpadas pelas infecções hospitalares no mundo e, por isso, chegam a representar uma ameaça maior que as temidas baratas.

Como evitar: Cuidado com os alimentos abertos. Qualquer migalha é um banquete para formigas. Certifique-se de que as pias da cozinha e do banheiro estejam sempre secas.

Fique de olho nelas

· Linepithema humile: A formiga-argentina vive embaixo de pedras, pisos e azulejos.

· Monomorium pharaonis: A formiga-faraó é amarelada e tem menos de 2 milímetros.

· Tapinoma Melanocephalum: A formiga-fantasma tem a cabeça e o tórax escuros e as pernas opacas.

ESCORPIÃO

No ano 2000, o Ministério da Saúde contabilizou 12 552 acidentes com esse artrópode. Em 2016, o número subiu para 91 485 — um crescimento impressionante de 628%. “Eles conseguem se adaptar bem a localidades com muito entulho, lixo e, principalmente, baratas, seu alimento preferido”, resume a infectologista Fan Hui Wen, do Instituto Butantan, em São Paulo.

Em 90% dos casos, a picada é sucedida por uma dor intensa, aliviada com o uso de analgésicos. Porém, em crianças e idosos, o veneno pode mexer com o sistema nervoso central, alterar a pressão arterial e levar à morte. Para evitar um perigo desses, é preciso utilizar o soro antiescorpiônico com urgência.

Como evitar: Jogue fora materiais de construção, como pedaços de madeira, telhas e tijolos, que não for usar em curto prazo. Nos depósitos, não encoste as caixas nas paredes.

Fique de olho neles

· Tityus serrulatus: O escorpião-amarelo está no Sudeste, no Centro-Oeste e no Nordeste do país.

· Tityus stigmurus: Tem uma coloração marrom e só é encontrado na Região Nordeste.

ARANHAS

A maioria não faz mal algum ao ser humano. No Brasil, três delas são temerosas: as aranhas marrom, armadeira e viúva-negra.

A primeira é bastante comum no Paraná. Ela fica escondida em frestas e fundos de armários e seu veneno forma uma ferida com necrose na pele. A segunda está espalhada por todo o país, é grande e agressiva — ela abre as pernas dianteiras para dar o bote. A viúva-negra, por sua vez, se limita às regiões litorâneas e costuma ser mais tímida.

Como evitar: Limpe o teto de alvenaria ou de madeira a cada 15 dias com um pano úmido para interromper a formação de teias muito grandes. Aspire os móveis, os quadros e os rodapés. Cuide dos jardins de tempos em tempos e faça a poda de árvores e arbustos.

Fonte: https://saude.abril.com.br/medicina/pragas-urbanas-quem-sao-como-evitar-e-o-que-fazer-para-se-livrar-delas/

A Químea é especializada em combater estes tipos de pragas.

Aproveite para conversar com nossos técnicos!

Entre em contato conosco e solicite um orçamento.

(55) 3217-0880 | (55) 9 9642-5454
quimea@quimea.com.br




Veja também



Por que realizar monitoramento ambiental na sua empresa?
Quer descartar eletrônicos em Erechim? O Pazza Sucatas é patrocinador da Campanha DestineMe e conta com um Ponto de Entrega Voluntária (PEV) no Mercado Caitá
Escola Estadual Dr. Paulo Devanier Lauda recebe PEV para entrega de resíduos sólidos
Ação voluntária coleta mais de 8.3 toneladas de resíduo eletrônico na região