Método britânico converte CO2 em combustível para aviões


Sabe-se que voar produz grandes quantidades de emissões de carbono. A boa notícia é que pesquisadores britânicos encontraram um caminho promissor para tornar essa atividade neutra em carbono. Cientistas das universidades de Oxford e Cambridge elaboraram um método barato que usa ferro, manganês e potássio para converter o dióxido de carbono da atmosfera em querosone de avião. Com isso, criaram um combustível neutro em carbono.

Os autores do estudo dizem que esse método de conversão de CO2 é mais fácil do que outras ideias anteriores. Essa qualidade o torna um candidato potencial para uso industrial.

Airbus revela conceitos de avião com emissão zero de carbono
Efeito ignorado de voos de aviões piora ainda mais aquecimento global
A conversão de dióxido de carbono gasoso diretamente em combustível de aviação usando catalisadores baratos à base de ferro é demonstrada em um artigo na revista “Nature Communications”. Como esse CO2 é capturado diretamente do ar e seria reemitido por combustíveis para aviação quando queimado em voo, isso aumenta a possibilidade no futuro de o efeito geral ser neutro em carbono.

Eficiência e economia
A produção de combustível neutro em carbono e produtos químicos de alto valor agregado é importante para mitigar os efeitos nocivos do CO2 na atmosfera. No entanto, converter CO2 seletivamente em um produto químico desejável é uma tarefa desafiadora. Frequentemente, essa conversão requer catalisadores caros ou várias etapas que demandam energia, que, em última análise, se mostram menos eficientes e econômicas. Para rivalizar com os combustíveis fósseis, um método sustentável de produção de combustível deve ser eficiente e econômico.

Peter Edwards, Tiancun Xiao, Benzhen Yao e colegas projetaram um novo catalisador à base de ferro que representa uma maneira barata de capturar diretamente o CO2 atmosférico e convertê-lo em uma gama de hidrocarbonetos para combustível de aviação. O catalisador é composto por elementos abundantes na Terra. Ele também demonstra alta atividade e seletividade, o que minimiza etapas adicionais na síntese de produtos químicos de alto valor agregado. Os autores conseguiram ainda coletar outras matérias-primas importantes para a indústria petroquímica durante o processo de conversão, só disponíveis atualmente a partir do petróleo bruto.

O catalisador de conversão de CO2 é mais fácil de preparar do que muitos candidatos anteriores. Essa característica o torna um candidato potencial para aplicações industriais, concluem os pesquisadores.

Fonte: Revista Planeta




Veja também



Brasil perde R$ 3 bilhões ao ano por não reciclar resíduos
Paraíso da reciclagem: A Suécia não tem lixo há seis anos
Vaso biodegradável é feito com resíduo de papel
Países dão exemplo no combate ao aquecimento global