Chile se torna o primeiro país latino a proibir as sacolas plásticas




Uma medida para chamar a atenção da indústria petroquímica : o Chile tornou-se o primeiro país da América Latina a proibir em todo o território que grandes lojas e supermercados entreguem sacolas plásticas aos seus clientes.

A medida já começou a ser aplicada e tem como principal aliada a cidadania : segundo uma pesquisa publicada em dezembro, 80 % dos entrevistados disseram que usavam recipientes reutilizáveis para transportar suas compras. A aplicação de regulamentos, no entanto, não foi inteiramente fácil para os consumidores. A campanha teve o apoio do próprio Presidente da República, Sebastian Piñero : “Viva um Chile limpo!”, disse o presidente em seu Twitter horas após a implementação da lei.

Para Felipe Riesco, sub-ministro do Meio Ambiente, o regulamento foi um anseio pela cidadania : “Um marco para o cuidado do meio ambiente. O Chile está instalado na vanguarda nesse campo na América Latina.” Riesco explicou que a lei foi publicada há seis meses, mas que desde então foi dado um período de graça aos grandes negócios, onde eles podiam entregar até duas sacolas plásticas gratuitamente. “Podemos dizer com satisfação que, de agosto até hoje, a entrega no país de cerca de 1.000 milhões de sacolas plásticas foi evitada, o que não contaminou nossos oceanos, rios e bairros”. De acordo com o ministério do meio ambiente chileno, correspondem a cerca de 7.350 toneladas.

Antes da publicação da lei, no Chile, foram utilizados 3.400 milhões de sacolas plásticas por ano, o equivalente a um consumo de 200 sacas por pessoa por ano. Mas era um hábito insustentável: enquanto o fabrico de uma bolsa demora um minuto, tem uma vida útil de 15 a 30 minutos. A lei se aplica à todas as grandes empresas, como lojas de departamentos e redes de farmácias, mas as médias e pequenas empresas poderão entregar até duas sacolas por compra até 3 de agosto de 2020. É uma medida que os cidadãos integraram pouco a pouco e que tem o respaldo da opinião pública: de acordo com o mais recente levantamento ambiental nacional de fevereiro de 2018, 95 % dos entrevistados concordaram em proibir a entrega de sacolas plástico para não contaminar o meio ambiente.

Além do Chile, a Colômbia aplica um imposto desde o ano passado às sacolas, e o Panamá também aprovou em janeiro uma proibição total em comércios, embora tenha dado um prazo maior (18 meses) para que estes se adaptem à norma antes de sua entrada em vigor. Antígua e Barbuda, Bahamas, Belize e Costa Rica e algumas cidades como Buenos Aires implementaram medidas de luta contra as sacolas de plástico. De acordo com os dados da ONU, 5 trilhões de sacolas de plástico são consumidas por ano no mundo, em sua maioria feitas de polietileno, um derivado do petróleo que leva cerca de 500 anos para se biodegradar. A cada ano, 13 milhões de toneladas de plásticos são jogados nos oceanos.

Fonte: https://www.saneamentobasico.com.br/chile-primeiro-proibir-sacolas-plasticas/